Países aceitam as condições do Taleban e vetam mulheres em reuniões diplomáticas

Reunião de líderes do governo talibã no Afeganistão (Foto: twitter.com/IeaOffice)

Apenas homens são admitidos nos encontros diplomáticos dos talibãs com representantes de nações e organismos internacionais.

Desde o Taleban que assumiu o poder no Afeganistão, no dia 15 de agosto, o tratamento opressivo dedicado às mulheres tem sido o principal motivo de críticas por parte do Ocidente. Ainda assim, nos encontros diplomáticos dos novos governantes afegãos com representantes de nações e de organismos internacionais, apenas homens têm sido enviados, atendendo a uma reivindicação dos próprios talibãs. As informações são da Radio Free Europe

“É chocante que em 2021, após décadas de trabalho para evidenciar a necessidade de as mulheres serem participantes plenas em todos os processos de paz, países, agências da ONU e grupos de ajuda enviem delegações exclusivamente masculinas para se reunirem com o Taleban”, disse Heather Barr, diretora associada da divisão de direitos das mulheres da ONG Human Rights Watch (HRW)

Por exigência do Taleban, mulheres sequer podem ser fotografadas na presença de representantes do grupo, uma condição aceita por União Europeia (UE), Grã-Bretanha, Turquia, Rússia, China, Paquistão e, mais recentemente, Holanda e Alemanha. As mulheres também estiveram ausentes das negociações com o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), a Cruz Vermelha e a ONG Médicos sem Fronteiras. 

Barr tem catalogado os episódios em seu perfil no Twitter, usando a #sausageparty (festa da salsicha, em tradução literal), com o objetivo de enfatizar a importância da participação das mulheres nas discussões com os novos governantes do Afeganistão. “É hora de começar uma discussão sobre homens estrangeiros se reunindo com o Taleban – sem mulheres. Não esteja nesta lista”, diz ela e um dos posts. A Referência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.