Mesa Diretora da Alba envia processo de Capitão Alden para votação do plenário

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) aprovou nesta quarta-feira, 11, o envio do processo contra o deputado Capitão Alden para apreciação do Plenário, com base no parecer do Conselho de Ética da Casa, que recomendou a suspensão do mandato do parlamentar por 30 dias.

A punição foi motivada pela acusação de Alden de que deputados recebia R$ 1,6 milhão cada da Prefeitura de Salvador em um esquema paralelo — o que ele nunca comprovou.

O deputado Paulo Rangel, 1° vice-presidente da Alba, confirmou que o processo segue para decisão do plenário. Neste período de um mês, Alden tem o salário também suspenso e não tem direito a ser substituído pelo suplente.

“Nós analisamos o parecer do Conselho de Ética, que encaminhou a suspensão do mandato do deputado pelo período de 30 dias, e a posição da Mesa Diretora foi de deferir essa decisão do colegiado. Daqui, vamos levar a plenário para que seja tomada a resolução final”, ressaltou.

A defesa do Capitão Alden tentou alegar caducidade devido à perda de prazos ao longo do processo, mas a Procuradoria rejeitou o argumento e a Mesa Diretora deu prosseguimento à tramitação.

No dia 27 de abril, o deputado publicou um vídeo em suas redes sociais em que acusa os membros da Alba de oposição ao governo Rui Costa (PT), de receberem uma espécie de mesada do Executivo. Alden nunca esclareceu o motivo do pagamento, mas na gravação diz que todo o grupo recebia.

Já após a representação da Procuradoria da Alba, no dia 7 de julho, o deputado pediu desculpas sobre as declarações consideradas por ele como “descontextualizadas, inoportunas e ofensivas”.

A retratação, entretanto, não foi suficiente para impedir o líder da Oposição na Alba, Sandro Régis (DEM), de ingressar com uma ação penal contra Capitão Alden. O demista considerou branda a punição do policial militar e lamentou que uma mudança esbarre no próprio regimento da Casa. Em conversa com o grupo A TARDE no últimos dia 5, o parlamentar disse defender um meio-termo, mas uma punição mais severa do que o afastamento por um mês. A Tarde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.