Demora para marcar sabatina de Mendonça pode atrapalhar votação da PEC dos Precatórios

Foto: Anderson Reidel /PR

A demora do presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Davi Alcolumbre (DEM-AP) para definir uma data para a sabatina de André Mendonça, ex-Advogado Geral da União, para a vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), pode atrapalhar a votação da PEC dos Precatórios no Senado.

A indicação foi feita pelo presidente Jair Bolsonaro em julho, mas até agora não há previsão para que seja colocado em pauta. Alcolumbre também ainda não fez questão de explicar publicamente a razão. Segundo informações do Poder 360, ele estaria insatisfeito com o Planalto pelo não cumprimento de acordos fechados ainda na época da eleição à Casa.

Há a expectativa do cronograma do mutirão de autoridades no Senado seja até o fim desta quinta-feira, 23, e que o nome de Mendonça apareça na lista de sabatinados

O próprio presidente do Senado e integrante da CCJ, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), não confia muito, no entanto, que se concretize.

“De minha parte, como presidente do Senado, é meu desejo que todas as sabatinas sejam realizadas, que nós possamos fazer a apreciação de todos os nomes indicados. Para isso e por isso foi designada a data do esforço concentrado no Senado Federal”, disse Pacheco.

A demora atrasa a votação da PEC dos Precatórios, aprovada em segundo turno pela Câmara Federal e maior aposta do governo Bolsonaro para conseguir financiar o Auxílio Brasil de R$ 400.

O prazo para Bolsonaro vai ficar cada vez menor, de acordo com a lei eleitoral, já que presidente não pode criar programas sociais em ano de eleição. A Tarde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.