Decisão do Canadá sobre a Huawei será um momento de ajuste de contas para o país

Artigo afirma que presença da Huawei na rede 5G canadense daria a Beijing a capacidade de exercer influência na política externa de Ottawa.

Ottawa anunciará em breve se dará à Huawei Technologies, a maior empresa de tecnologia chinesa, com suspeitas ligações com os militares do país, acesso à rede sem fio 5G de próxima geração do Canadá. A decisão terá um efeito sério na posição do Canadá dentro da aliança de compartilhamento de inteligência Five Eyes, cujos quatro outros membros baniram a Huawei de sua infraestrutura 5G por questões de segurança.

Os países democráticos relutam em dar à Huawei um papel em suas redes de comunicações de próxima geração porque, de acordo com a Lei de Inteligência Nacional da China, todas as organizações e cidadãos chineses são obrigados a “apoiar, ajudar e cooperar com o trabalho de inteligência do Estado”, se solicitados a fazê-lo pelas autoridades. Em outras palavras, a Huawei não é uma empresa privada como legalmente se entende no Ocidente – ao contrário, a lei do governo significa que, a qualquer momento, a empresa pode ser chamada para ser uma extensão da estratégia global do Partido Comunista Chinês (PCC) e do aparato de inteligência do Estado. A visão do PCC é moldar o mundo de uma forma que seja mais receptiva à sua ideologia autoritária e usará todas as ferramentas à sua disposição.

Os esforços da Huawei, então, não podem ser vistos simplesmente como negócios normais – a empresa tem um imenso valor estratégico para a China e pode fornecer a seu governo acesso exclusivo a países em todo o mundo.

A ameaça potencial que a Huawei representa para a integridade da infraestrutura de comunicações nacionais do Canadá foi amplamente discutida. E, apesar das negações de Cong Peiwu, embaixador da China no Canadá, nosso aparato de segurança nacional levou essas preocupações a sério. No entanto, mesmo que pudesse de alguma forma ser provado sem sombra de dúvida que nenhum dos sistemas da Huawei inclui backdoors que podem ser explorados para acessar secretamente redes de telecomunicações, dar ao gigante chinês da tecnologia um papel na infraestrutura de nosso país ainda representaria uma ameaça.

Prédio da Huawei no Canadá (Foto: Raysonho/Wikimedia Commons)

A razão é esta: dar à Huawei uma posição segura em nossas redes de telecomunicações aumentaria inevitavelmente a capacidade do PCC de exercer influência em nossa política externa. Beijing provavelmente tentaria explorar nossa dependência dos produtos Huawei – para tecnologia 5G fundamental e iterações futuras de nossa infraestrutura de telecomunicações – para condicionar nossos formuladores de políticas, em grande parte por meio de um mecanismo que o PCC tem usado repetidamente para coagir, punir e recompensar países em todo o mundo: negação.

Uma vez que um país se torne dependente de uma empresa específica para algo tão crítico como a arquitetura nacional de telecomunicações, será extremamente difícil – e extremamente caro – reverter o curso e substituir os principais componentes dessa infraestrutura por tecnologias de outra empresa. O incentivo seria manter esse relacionamento com a empresa inicial e evitar qualquer coisa, incluindo decisões políticas, que pudesse comprometê-la. A dependência dos sistemas da Huawei, portanto, exporia o Canadá a uma possível chantagem e ao sequestro de nossa soberania – algo que Beijing já tentou por meio da cooptação de elites empresariais e retaliação econômica setorial.

É especialmente importante para o Canadá evitar essa armadilha, dada a direção que a China tem tomado sob o regime atual. Sob o presidente Xi Jinping, a China derrubou muitas das políticas que, sob seus predecessores, levaram ao otimismo sobre a potencial liberalização da China, incluindo o respeito pelos direitos humanos e a obediência às normas comerciais globais. A China do Sr. Xi está mais repressiva, intrusiva e assertiva do que há décadas, enquanto, sob sua orientação, o PCC se tornou muito mais hostil às instituições globais e à democracia. Com o Sr. Xi aumentando seu controle sobre o aparato partido-Estado na China, ao mesmo tempo em que remove os limites de mandato como líder de seu país, as linhas de tendência sugerem a continuação de uma China que se opõe cada vez mais às regras e valores que sustentam a ordem democrática liberal. Seria, portanto, pura tolice dar a tal governo a capacidade de nos coagir ao silêncio.

A decisão do Canadá sobre a Huawei não é apenas sobre o acesso ao mercado: é igualmente sobre as ambições estratégicas da China. O fato de o governo federal permitir ou não tais projetos em nosso território soberano terá um efeito direto em nossa reputação como defensor de uma ordem mundial que, embora imperfeita, tem beneficiado a comunidade internacional. Este é um momento de ajuste de contas para o Canadá, um momento que nossos aliados de pensamento semelhante estão observando de perto. Não vamos recompensar e legitimar as ações de um regime cuja queda em um autoritarismo mais profundo é a antítese de tudo em que acreditamos. A Referência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.