Covax, a coalizão de 165 países para garantir vacina contra coronavírus às nações mais pobres

Das dezenas de vacinas para covid-19 que hoje estão em desenvolvimento no mundo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) acredita que “a maioria não terá sucesso”.

Menos de 10 dos cerca de 170 projetos de vacinas contra o Sars-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, estão na fase 3 de seus testes, que define seu sucesso ou fracasso.

“Os governos estão sob pressão para garantir o abastecimento de suas populações daqueles vacinas que tiverem sucesso. Se os governos competirem, a maioria dos países pode ficar de fora”, alerta a OMS.

Portanto, em meio a essa disputa, pelo menos 165 países manifestaram interesse em fazer parte de uma coalizão que visa garantir o acesso igualitário a uma vacina que funcione. A iniciativa foi batizada de Covax.

Dos 165 países, pelo menos 75 já se apresentaram como financiadores para desenvolver um “portfólio” de vacinas com as melhores chances de sucesso, informou a OMS.

Essas nações concordaram em compartilhar o possível sucesso de uma ou mais dessas vacinas com 90 outros países com menos possibilidades econômicas ou sistemas de saúde mais fracos. No total, 60% da população mundial teria acesso à vacinação.

Frascos de vacina Sputnik V da Rússia
Image captionA Rússia iniciou a produção de sua própria vacina, mas eficácia e disponibilidade ainda não são conhecidos

Para Seth Berkley, diretor executivo da Fundação Gavi, que co-dirige a iniciativa com a Coalizão para Inovações em Preparação para Epidemias (Cepi) e a OMS, a Covax pode ser a única solução verdadeiramente global.

“Para a grande maioria dos países, quer eles possam pagar suas próprias doses ou precisem de assistência, a cooperação significa receber uma parte garantida das doses e evitar ficar no fim da fila”, disse ele a uma assembleia da OMS.

Argentina, Brasil e México estão entre os países latino-americanos que se manifestaram a favor da aliança Covax.

No entanto, grandes economias como Estados Unidos, China, União Europeia e Rússia indicaram que não farão parte da coalizão por enquanto.

Isso levanta preocupações de que a atual pandemia se agrave, como aconteceu em 2009 com a crise do H1N1. Na ocasião, alguns países tentaram imunizar toda a sua população em vez de respeitar a orientação internacional de vacinar os mais vulneráveis ​​de todos os países.

Qual é o plano?

Projetos de vacinas que afirmam estar na avançada fase 3, como da Rússia, China ou da Universidade de Oxford-AstraZeneca, ainda não provaram sua eficácia em grupos de massa.

Mesmo assim, vários países já concordaram em produzi-los em larga escala, como a associação Argentina-México para produzir e distribuir a vacina Oxford-AstraZeneca na América Latina.

Como apontam os especialistas, trata-se de uma aposta: ao mesmo tempo em que você economiza tempo produzindo a vacina mesmo sem ter garantia de sua eficácia, você pode perder tudo se ela não passar nos últimos testes.

Pesquisadores em Oxford
Image captionA vacina Oxford-AstraZeneca será produzida e embalada entre o México e a Argentina, embora seus testes ainda não tenham sido concluídos

Diante desse problema, a OMS afirma que todos os países da Covax “compartilharão os riscos associados ao desenvolvimento de vacinas” por meio da criação de um fundo global de financiamento.

Eles vão investir na fabricação antecipada de vacinas candidatas de seu portfólio “assim que seu sucesso for demonstrado”. E vão somar as aquisições dessas vacinas “para atingir volumes suficientes” no próximo ano com 2 bilhões de doses que tenham sido aprovadas pela OMS.

“Com a Covax, nossa aspiração é poder vacinar até o final de 2021 os 20% mais vulneráveis ​​da população de cada país participante, independente da faixa de renda”, afirma Richard Hatchett, diretor executivo da Cepi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *