Startup baiana é escolhida para receber aporte financeiro do Google

Traz Favela e mais duas outras empresas brasileiras participarão do programa de aceleração da multinacional.

Com foco em startups brasileiras fundadas e lideradas por negros e negras do Brasil, o Google for Startups lançou o programa Black Founders Fund, um fundo de investimento para auxiliar no desenvolvimento dessas plataformas. E, até o momento, apenas três empresas foram selecionadas pela multinacional para participar do programa de aceleração, e uma delas é baiana, de Salvador: o Traz Favela.

Com pouco mais de 2 anos de operação, o TrazFavela é uma plataforma de delivery que busca fortalecer o comércio local, levando e trazendo produtos para dentro e fora das comunidades de Salvador. Sem preconceitos de localização, e com a missão de entregar produtos em locais que outros serviços não alcançam, como comunidades periféricas e favelas, a startup foi aprovada no projeto e receberá o recurso.

O Black Founders Fund é uma iniciativa do Google for Startups para investir recursos financeiros em startups em estágio semente (seed), fundadas e lideradas por empreendedores negros e negras no Brasil. O fundo de investimento terá um valor inicial de R$ 5 milhões, que servirão para apoiar cerca de 30 empreendimentos nos próximos 18 meses.

O método de aporte de capital ou financeiro é uma contribuição financeira que uma empresa recebe de um investidor para ser utilizada com um determinado fim, seja para impulsionar o seu negócio, para fazer pesquisa, expansão, compra de equipamentos, etc. Em troca, os investidores recebem uma participação nos lucros da empresa. No entanto, no caso do Google, não há qualquer contrapartida ou participação acionária nas startups selecionadas.

A iniciativa tem como objetivo ampliar a diversidade racial no ecossistema de startups e apoiar empreendedores negros e negras que estão construindo negócios com alto potencial de crescimento.

De acordo com o CEO do Traz Favela, Iago Santos, o objetivo da plataforma é fortalecer as áreas periféricas de forma econômica, através do serviço de delivery, que futuramente será um aplicativo como os outros que já estão no mercado.

“Hoje a gente é um delivery sem preeconceito de área, com o intuito de levar produtos de dentro da periferia para fora e de fora para dentro dela, para fortalecer e levar comodidade para a comundiade em áreas que antes não eram atendidas por nenhum tipo de aplicativo”, explicou.

Iago conta que atualmente, o Traz Favela está utilizando uma plataforma de mensagem, mas que o planejamento é de construir uma plataforma própria de Marketplace e delivery, iguais as que ja existem no mercado.

Segundo ele, o Traz Favela já avançou mais de 400% desde o início de sua operação, em setembro de 2018. “Somente no segundo trimestre desse ano, conseguimos atingir mais de mil entregas. Atualmente estamos com 51 estabelecimentos e com 36 motoboys rodando. Estamos conseguindo atingir vários mercados”, disse IAgo, que sonha em alcançar públicos de outras regiões do país.

“A nossa principal visão de futuro é atingir a região Sul e Sudeste, bem como toda a região Norte e Nordeste e, quem sabe, atingir até outros países”, completou. bahia.ba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *