Lucas Cândido elogia evolução, mas contém euforia: ‘Pés no chão’

Com o triunfo diante do Paraná no último sábado, 10, o Vitória chegou, temporariamente, a sair da zona de rebaixamento. O único contratempo foi a vitória do Criciúma, até então último colocado, em cima do Sport, no domingo. Assim, o Leão subiu três posições e virou a rodada com porteiro da degola, na 17ª colocação, com 14 pontos.

O placar por 2 a 0 conquistado em cima da equipe paranaense tem servido para consolidar, cada vez mais, a imponência de o Rubro-Negro jogar dentro de seus domínios. Com o resultado, o Vitória chegou ao terceiro resultado positivo consecutivo no Barradão, o quarto na competição.

Em coletiva realizada na manhã desta segunda, 12, após o treinamento, o volante Lucas Cândido se empolgou ao falar sobre a necessidade do Leão crescer dentro da Toca. “Caiu no Barradão, tem que ganhar. Desceu o morro ali, tem que ganhar. Tem que botar para f… mesmo. Não pode pensar em empatar. Temos que sair com os três pontos”, afirmou.

Se de um lado temos um Vitória crescendo cada vez mais em seus territórios, o menos não dá para dizer do desempenho longe de Salvador. Até o momento, o Leão é o último colocado jogando fora de casa, com apenas dois pontos conquistados, em um total de 24 disputados. Por isso, é necessário que a atitude mude já para o próximo duelo, contra o CRB, no próximo domingo, 18, no estádio Rei Pelé.

“Postura tem que ser com inteligência. Hoje em dia futebol é psicológico puro. Independente de quem jogou aqui ou jogou lá. Tem que manter a cabeça equilibrada porque vai ser um jogo difícil. Tem que manter foco na partida para que o resultado venha no domingo. A gente tem que ter calma, manter os pés no chão. Temos que ganhar fora de casa. Vamos buscar lá pelo menos um ponto”, garantiu o volante.

Independente do aspecto 8 ou 80, é inegável a evolução da equipe na temporada. A chegada de um novo treinador, as reformulações realizadas no elenco tem trazido uma crescente no desempenho do plantel dentro de campo que, até então, não se viu em todo primeiro semestre do Rubro-Negro, quando o time havia conquistado apenas quatro triunfos. Com isso, uma luz no fim do túnel se acende para o Leão que já começa. mesmo que bem distante, a enxergar uma possibilidade de acesso ao final da Segundona.

“Temos que pensar positivo, porque se a gente não pensar, quem vai? Vamos pensar por esse caminho. A demissão do Loss, um tanto de coisa ruim, porque o atleta convive com a evolução e, quando para essa evolução, temos que começar do início de novo. A gente tem que pensar positivo na tabela, não pode perder ponto, seja fora de casa ou dentro de casa. Tem que ser inteligente”, avaliou o atleta.

Dentre as reformulações sofridas no elenco, estão as chegadas de algumas peças fundamentais para o time principal. Na última partida, por exemplo, todo o meio-campo do Leão era composto de jogadores recém-chegados ao clube. Nesse setor, o entrosamento e a liderança realizada por Baraka tem sido um dos destaques até aqui.

“A gente vem treinando durante a semana, entrosamento conta bastante. Cheguei vai fazer um mês. O Baraka chegou há dois meses. Léo Gomes está há mais tempo. Entrosamento conta muito. A gente bate na tecla que quem tiver no momento dentro do jogo para sair, que saia que a gente cobre o resto do meio-campo. Tem que ser inteligente. Não pode falar para o Baraka ficar mais. Dependendo da situação de jogo, eu saio mais, Baraka sai mais. Durante o jogo acontece várias situações, a gente vai sentindo, equilibrando no meio-campo”, contou Lucas Cândido.

Por fim, o volante ratificou a mudança de postura como reflexo do ambiente mais agradável que o Vitória vive em seus bastidores.  “Independente do técnico, Amadeu ou Loss, a evolução é nítida. O ambiente é bom. Todos os jogadores sabem da importância de jogar no Vitória. A pressão ela vai ter, na Série A ou B, e a gente está feliz de ter essa oportunidade, independente da colocação. Queremos ganhar, produzir. Quando eu cheguei aqui no Vitoria, estava em último. Estava há seis meses sem ganhar no Barradão. Fiquei sem palavras, porque não sabia. Eu vim para somar. Isso é muito importante, porque tem muitos jogadores e todos querem jogar, Mas o ambiente é muito bom e tem tudo para seguir assim durante o campeonato”, completou.

Jornal a tarde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *